sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Sindicato quer participação dos vereadores de Uberaba na elaboração da pauta de 2010

Sindicalistas conversam com vereadores na sede

Mais de 7.500 servidores são atingidos diretamente pelas decisões que acontecem em maio - na data-base da categoria

Ainda às voltas com a tentativa de fazer valer, já em janeiro de 2010, o valor de R$ 510 para o salário mínimo da Prefeitura, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Uberaba (SSPMU) inicia conversas em torno da data-base da categoria – que acontece em maio. A pauta tem impacto direto na vida de mais de 7.500 trabalhadores do serviço público municipal da cidade.

Nesta quinta-feira, 14 de janeiro, os sindicalistas aproveitaram reunião na sede da entidade para convidar os vereadores a se envolverem na pauta de reivindicações de 2010. A proposta foi bem recebida por todos.

Estavam presentes os vereadores peemedebistas Cléber Ramos (presidente da Comissão de Assistência aos Servidores e líder do prefeito), Tony Carlos e Marcelo Machado Borges; Almir Silva (PR); João Gilberto Ripposati (PSDB); além de representantes de Itamar Ribeiro (DEM), Antônio dos Reis Lerin (PSB), e de José Severino Rosa (PT).

PELA ORDEM - "Nossa prioridade neste momento atual é lutarmos para que os companheiros que recebem menos do que o novo salário mínimo nacional tenham o valor equiparado ao mínimo de R$ 510, mas, ao mesmo tempo, queremos antecipar os debates em torno da pauta de 2010, para chegarmos em maio bem preparados para sentarmos à mesa com o governo municipal" – disse o presidente do SSPMU, José Jorge da Silva e Oliveira, aos vereadores que estavam na reunião.

Neste encontro foi definida a audiência – que aconteceu poucas horas depois, na Prefeitura de Uberaba, quando o prefeito Anderson Adauto concordou em analisar a proposta de um salário mínimo de R$ 510, desde que, através de um abono.

De acordo com ofício enviado pelo secretário de Administração, Rômulo Figueiredo, à diretoria do SSPMU – a pedido dos sindicalistas, a Prefeitura tem hoje, 2.655 servidores que recebem salário-base de R$ 465.

Se a proposta do sindicato for acatada pelo governo, estes servidores receberão um abono de R$ 45, sem levar em conta as vantagens (tipo quinquênio, gratificação etc.). Ocorre que as súmulas do Supremo Tribunal Federal (STF), avocadas pela equipe econômica do governo para não conceder um reajuste ao mínimo da Prefeitura, determinam que o salário-base é a soma dos vencimentos com as vantagens.

PAUTA 2009 – Apesar de já estar falando na pauta de 2010, a diretoria do SSPMU mantém as atenções nas pendências da pauta anterior. Na semana passada, por exemplo, chegou à sede do sindicato o material odontológico prometido pelo prefeito durante as negociações da pauta de 2009.

"O prefeito também já liberou um dentista", revela o diretor social, Carlos Humberto Costa, ressaltando que o designado para a função é o servidor Luiz Tiveron. Segundo o sindicalista, o atendimento será reativado assim que forem concluídas algumas questões burocráticas.

Ele lembra que o sindicato, em razão do compromisso, reformou os três consultórios dentários da entidade, e aguardava apenas a liberação de profissional e material odontológico para retomar os atendimentos.

--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura